Loading Theme Customizer. Please wait...

Ainda não há uma definição precisa, uma conceituação jurídica do que seja um movimento na Igreja e isso dificulta uma classificação e uma melhor análise. Os movimentos são diferentes pela sua origem, seu carisma e evolução, mas geralmente se formam ao redor da pessoa de um líder; possuem algumas idéias-forças ou um espírito comum e a adesão ao movimento é vital.

No Brasil podemos enumerar os assim chamados “movimentos de espiritualidade”: Movimento de Cursilhos de Cristandade (MCC), Equipes de Nossa Senhora (ENS), Comunhão e Libertação (CL), Renovação Carismática Católica (RCC), Encontro de Casais com Cristo (ECC), Focolares, Schoenstatt, Neo-catecumenato e outros. As principais características desses movimentos são: constituídos e coordenados por leigos; internacionais (nascidos, na sua maioria, na Europa ou Estados Unidos, com organização própria, tendo a coordenação central fora do Brasil); urbanos e ênfase na espiritualidade.

Os movimentos também devem estar integrados na ação pastoral da paróquia de maneira que qualquer iniciativa nesse sentido seja feita em sintonia com a caminhada paroquial. Os movimentos não podem e não devem seguir caminho próprio, como se nada lhes exigisse estar dentro de uma comunidade, que é a Igreja. Importância capital é a união com o Planejamento diocesano. Não basta se reunir, refletir, rezar. Precisamos viver em comunhão. Deve haver SINTONIA muito forte com as propostas da Igreja. Caso contrário, há o perigo de independência e de um trabalho que não irá construir a Igreja-comunidade, mesmo com os melhores esforços e a maior boa-vontade.

Observação: Cada pastoral ou movimento não é uma atividade eclesial separada, mas uma atividade dentro da Igreja para criar comunhão, através de formas diferentes.  As pastorais e movimentos são circunstanciais. Surgem num determinado período ou diante de uma necessidade, e por isso podem terminar. Não significa que não foram eficazes. Podem ter cumprido sua missão. O surgimento de novas necessidades pode requerer outros tipos e formas de pastoral. O importante é estar aberto ao impulso do Espírito e sempre em profunda união com a Igreja, a única que pode discernir se uma específica forma de pastoral fará bem à comunidade.

Voltar ao topo